home > Informe-se > Câncer de Próstata > Como preservar a fertilidade do homem com câncer?

Como preservar a fertilidade do homem com câncer?

Publicado em 21 de agosto de 2020
Por: Clínica Fecondare

Como preservar a fertilidade do homem com câncer?

A preservação da fertilidade é um tema que deve ser abordado pelo médico antes de iniciar um tratamento oncológico. O homem com câncer que quer ter filhos biológicos tem o direito de saber que existem maneiras de viabilizar esse desejo — as quais aumentam se o tumor for descoberto em fase inicial. Por isso, por mais focado que se esteja na recuperação da doença, é preciso planejar a vida após o câncer.

Neste artigo, entenda como os tratamentos mais comuns podem interferir na fertilidade masculina. Conheça, também, as possíveis alternativas para driblar o problema. Boa leitura!

Como o tratamento contra o câncer influencia na fertilidade masculina?

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a principal incidência primária de tumor no homem é na próstata (29,2%). Em seguida, vêm o câncer de cólon e de reto (9,1%)

Entre os efeitos colaterais dos tratamentos realizados na região pélvica, existe o alto risco de danificar os espermas. Dependendo da abordagem e da área tratada, isso pode:

  • prejudicar a fertilização do óvulo;
  • em caso de fecundação, levar ao aborto espontâneo;
  • em caso de nascimento, gerar defeitos congênitos ou problemas de saúde, por vezes, fatais.

Quais são os efeitos do tratamento de câncer nos hormônios masculinos?

No câncer de próstata com a doença localizada, em estágio inicial, a radioterapia externa é a principal via de tratamento. Mas quando realizada na região próxima aos testículos, ela destrói as células precursoras dos espermatozoides, levando, muitas vezes, à infertilidade.

Quando o tratamento é feito com quimioterapia, a chance de deixar de ser fértil também é alta. E devido à menor produção de testosterona, o desejo sexual e as ereções podem diminuir.

Já quando é preciso fazer a prostatectomia (cirurgia de retirada da próstata com o tumor, das vesículas seminais e, em certos casos, dos linfonodos), a infertilidade é uma consequência inevitável. O mesmo ocorre quando o tratamento é feito com hormonioterapia — nesse caso, com risco de perda da libido e disfunção erétil.

A boa notícia é que, segundo o Inca, cerca de 80% dos pacientes podem voltar à vida normal depois do tratamento. Isso, vale ressaltar, desde que a doença tenha sido detectada precocemente.

Como minimizar os riscos do tratamento oncológico para a fertilidade?

Como explicado, o tratamento contra o câncer pode afetar as células espermáticas. Por isso, especialistas recomendam esperar de 6 meses a 2 anos antes tentar engravidar.

Além disso, deve-se adotar estratégias para preservar a fertilidade. Esse cuidado permite que o desejo de ter filhos seja viável.

Proteção na radioterapia do homem com câncer

Em alguns casos, é possível se proteger contra às radiações que danificam os espermatozoides. Para isso, é preciso cobrir os testículos com uma proteção de chumbo durante as sessões de radioterapia.

Mesmo quando a terapia é direcionada a um dos testículos, isso permite que o outro seja preservado. Já se for preciso tratar ambos os testículos, essa estratégia de proteção não é válida.

Cirurgia realizada com auxílio de um robô

A prostatectomia robótica é controlada pelo médico à distância, permitindo-o visualizar a área a ser operada de forma detalhada e garantindo maior precisão cirúrgica. Dessa forma, é possível e o extrair o tumor sem comprometer as funções reprodutoras — isso, desde que não seja necessário remover a próstata.

Criopreservação de gametas e reprodução assistida

Para aumentar as chances de preservação da fertilidade e de uma concepção bem sucedida, os médicos recomendam armazenar o sêmen em um banco de esperma. A criopreservação de gametas é feita antes de o tratamento contra o câncer começar, sob a orientação de um especialista em reprodução humana.

Mesmo sabendo que homens com câncer podem ter uma baixa quantidade ou qualidade de espermatozoides, os especialistas reforçam que o armazenamento em um banco de esperma não deve ser desconsiderado. Inclusive, mesmo se houver urgência de começar o tratamento, pelo menos uma amostra deve ser congelada.

A única exigência é que os espermatozoides estejam vivos. Para verificar, as amostras recolhidas passam por diversos testes. Se aprovadas, são congelados e armazenadas por anos.

Qual é a taxa de sucesso na preservação da fertilidade?

A porcentagem de homens que conseguem ter filhos biológicos com o sêmen armazenado em um banco de esperma varia muito. Depende tanto da qualidade dos espermatozoides quanto das condições de saúde da parceira e, ainda, do know-how da clínica de fertilização.

O que se sabe é que a probabilidade de os espermatozoides que foram coletados antes do início do tratamento contra o câncer fertilizarem o óvulo é a mesma de um homem saudável. Prova disso é que os bancos de esperma têm milhares de casos de gestações bem sucedidas.

Assim, casais que não conseguem engravidar de forma espontânea ou não querem ter que esperar o “período de segurança pós-tratamento” podem recorrer aos espermatozoides congelados. As técnicas usadas para viabilizar a gestação podem ser:

  • inseminação artificial (IA), com a introdução dos espermatozoides, com um cateter, no útero da parceira, para que a fecundação ocorra naturalmente;
  • fertilização in vitro (FIV), com a colocação dos espermatozoides junto aos óvulos (também coletados), para fecundação em laboratório e para posterior implantação do embrião no útero;
  • injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI), com a introdução de um único espermatozoide, previamente selecionado, no óvulo e posterior transferência dos melhores embriões para o útero. Trata-se de um processo realizado dentro da FIV (em casos graves de infertilidade masculina), para otimizar o uso do material genético limitado.

Custos da preservação da fertilidade

O valor varia conforme o tipo de tratamento e a clínica de fertilização. Além disso, há fatores que podem aumentar os custos dos procedimentos, como as causas da infertilidade masculina e as condições de saúde da parceira.

Na hora de escolher sua clínica de fertilização, avalie o custo-benefício. A Clínica Fecondare, localizada em Florianópolis, SC, por exemplo, é reconhecida pela alta qualidade em medicina reprodutiva.

Além de seguir as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), uma boa clínica deve reunir diferentes especialidades médicas, para oferecer ao homem com câncer um tratamento individualizado e multidisciplinar. O uso de técnicas e equipamentos de ponta também é essencial, mas sem dispensar a preocupação com o acolhimento e bem-estar dos pacientes.

Esperamos que o artigo tenha ajudado. Caso queira saber mais sobre preservação da fertilidade, baixe, gratuitamente, o e-book O câncer e a fertilidade masculina.

Material escrito por:
Clínica Fecondare
X Balneário Camburiú Itajaí