home > Informe-se > Câncer de Próstata > Como fica a vida sexual após a retirada da próstata?

Como fica a vida sexual após a retirada da próstata?

Publicado em 26 de junho de 2020
Por: Dr. Leonardo Ortigara

Como fica a vida sexual após a retirada da próstata?

A retirada da próstata é uma cirurgia que levanta muitas dúvidas entre os homens, especialmente sobre a vida sexual após a realização desse procedimento, que é amplamente utilizado no tratamento do câncer nessa glândula.

O câncer de próstata é considerado o segundo tipo de câncer mais comum entre pacientes do sexo masculino e responsável por cerca de 10% de todos os cânceres diagnosticados.

Quando identificado tardiamente, recomenda-se a retirada da glândula e de todos os tecidos próximos que podem estar com células cancerígenas. Como consequência, pode haver complicações na vida sexual do paciente.

Para responder se a retirada da próstata causa impotência, é preciso entender mais sobre a função da glândula no corpo masculino e, assim, entender se a sua remoção pode impactar na vida sexual. Continue lendo e confira.

A retirada da próstata causa impotência?
Antes de dar essa resposta, deve-se entender o que acontece se o homem retirar a próstata. Essa glândula do sistema genital masculino, localizada na frente do reto, tem como principal função produzir o líquido prostático que, quando misturado com o líquido seminal, formam cerca de 90% do sêmen.

O sêmen, por sua vez, faz a nutrição, proteção e auxilia na locomoção dos espermatozoides, o que deixa o homem fértil e permite a reprodução. Dessa forma, a cirurgia para a retirada da glândula causa a infertilidade e também impede o paciente de ejacular, o que não é a mesma coisa que ter um orgasmo.

Apesar de a fertilidade ser um fator relevante para muitos homens, a impotência não está relacionada com ela, mas, sim, à capacidade de ter e manter uma ereção para ter relações sexuais, o que também é influenciado pela retirada da próstata.

Após a realização da cirurgia, é comum haver perda da capacidade natural de ereção em decorrência da remoção dos nervos cavernosos, responsáveis por permitir que o pênis fique ereto, mas isso, normalmente, não ocorre pelo resto da vida do paciente.

A recuperação da capacidade de manter relações sexuais ocorre após um período que varia de acordo com uma série de fatores, como:

  • extensão do câncer;
  • nível de afetação dos nervos e
  • idade do paciente.

Geralmente, o tempo necessário para a ereção voltar ao normal após a cirurgia de retirada da próstata é de 2 anos. De forma resumida, pode-se dizer que a cirurgia de próstata não causa impotência permanente na maioria dos casos.

Quem fez cirurgia de próstata pode tomar Viagra?
Agora que você já sabe como a retirada da próstata está relacionada à impotência sexual, outra dúvida comum entre os meus pacientes está relacionada com o uso de estimulantes sexuais, como o Viagra, famoso remédio para lidar com problemas de ereção.

A resposta dessa pergunta é mais complexa do que parece, uma vez que dependerá diretamente de cada caso. Mas, de acordo com a fabricante do medicamento, 43% dos pacientes que removeram a próstata notaram uma melhora na sua vida sexual.

Vale ressaltar que nenhum medicamento deve ser tomado sem a orientação médica, principalmente logo após a realização da cirurgia.

Como tratar a impotência após a cirurgia de próstata?
Depois da cirurgia de retirada de próstata, o paciente passará pelo período de recuperação que envolve a reabilitação sexual. Nessa etapa, o médico especialista ensinará como manusear o pênis para estimular o bombeamento do sangue para esse órgão e, consequentemente, reduzir o tempo para manter relações sexuais.

Tudo isso deve ser feito com o acompanhamento por um especialista em saúde sexual masculina, como um urologista ou andrologista.

Cirurgia robótica minimiza riscos de disfunção erétil
Quando o câncer de próstata está em estágio avançado, a melhor opção de tratamento é o procedimento cirúrgico. A técnica cirúrgica evoluiu muito ao longo dos anos: os primeiros procedimentos eram realizados pela técnica aberta, posteriormente passaram a ser feitos pela técnica laparoscópica tradicional e, atualmente, a cirurgia robótica é a técnica mais moderna, eficiente e segura para a retirada da próstata.

Com a inovação tecnológica e a visão precisa em alta definição e 3D, a cirurgia robótica tem revolucionado o tratamento do câncer de próstata. O procedimento utiliza técnicas minimamente invasivas e é indicado, sobretudo, para casos em que os espaços são limitados ou quando é necessário o detalhamento do órgão explorado.

Como o nome sugere, os movimentos dos instrumentos são realizados por robôs, o que garante maior precisão e eficácia na remoção do tumor. Contudo, é a habilidade do cirurgião que faz toda a diferença para o sucesso da operação.

Quando executada por cirurgiões experientes, a cirurgia robótica proporciona uma série de vantagens, como:

  • menores incisões;
  • menor risco de sangramento;
  • diminuição da dor;
  • menor tempo de internação;
  • mínimas chances de complicações no pós-cirúrgico e
  • recuperação mais rápida.

No entanto, a grande vantagem da cirurgia robótica para a retirada da próstata é a preservação da função urinária e erétil.

De acordo com dados do Hospital Sírio Libanês, a possibilidade de preservar a capacidade erétil é de 80%. A recuperação da função erétil pode demorar algum tempo para acontecer, mas, na grande maioria dos casos, ela retorna de maneira natural dentro de 1 ano.

Dessa forma, se você se preocupa com a retirada da próstata causar impotência, uma boa ideia é procurar médicos que utilizem essa técnica avançada.

Prótese peniana: tratamento definitivo para a disfunção erétil
O paciente que apresenta perda definitiva da função erétil, após a retirada da próstata, pode voltar a ter uma vida sexual ativa com a ajuda de tratamentos inovadores. O mais moderno e recente deles é o implante de prótese peniana.

Trata-se de um pequeno dispositivo, em formato cilíndrico, inserido cirurgicamente em cada um dos dois corpos cavernosos do pênis para permitir a ereção. Considerada a terceira linha de tratamento da disfunção erétil, a prótese peniana é indicada para pacientes que não responderam de maneira satisfatória aos tratamentos clínicos ou de droga injetável.

Existem dois tipos de prótese peniana: a maleável a inflável. A primeira deixa o pênis em estado permanente de ereção, mas permite acomodar o órgão de maneira confortável e discreta graças à sua maleabilidade.

Já a prótese peniana inflável permite que o pênis retorne ao estado de flacidez após a relação sexual. Esse modelo é implantado dentro da bolsa escrotal com um cilindro metálico que armazena soro fisiológico. Ao ser ativado, o soro percorre os cilindros e os inflam, resultando na ereção.

Não há motivos para se preocupar com a qualidade e desempenho sexual após o implante da prótese. A vida sexual permanece a mesma, uma vez que não há diferença entre ter ou não ter prótese e é praticamente impossível diferenciar a prótese de uma ereção normal.

Vale destacar que o índice de satisfação sexual com a prótese peniana é de cerca de 80%, ou seja, um número considerado bastante alto. Dessa forma, o paciente pode voltar a ter uma vida sexual ativa e de qualidade mesmo após a retirada da próstata.

Ao fazer a retirada da próstata não se preocupe com a impotência sexual, foque apenas na sua saúde. Atualmente, existem técnicas e métodos para trazer mais qualidade para suas relações íntimas. Entre em contato com minha equipe para agendar uma consulta e saber mais sobre a cirurgia robótica ou a prótese peniana, em Balneário Camboriú ou Itajaí.

Material escrito por:
Dr. Leonardo Ortigara
CRM 15149 / RQE 7698
X Balneário Camburiú Itajaí