home > Informe-se > Incontinência urinária > Convivendo com a neuromodulação sacral

Convivendo com a neuromodulação sacral

Publicado em 15 de dezembro de 2020
Por: Dr. Leonardo Ortigara

Convivendo com a neuromodulação sacral

Seja provocada pelo envelhecimento natural do organismo, por consequência de cirurgias prostáticas ou ainda por diversos outros motivos, a incontinência urinária e a bexiga hiperativa afetam significativamente a qualidade de vida do paciente. Para contornar a situação, a neuromodulação sacral, também chamada de marcapasso neural, é um tratamento eficiente e que apresenta altas taxas de sucesso na cura do problema.

Em grande parte dos casos, o paciente se acostuma rapidamente e nem se lembra da presença do dispositivo, já que é possível levar uma vida normal. Contudo, como o dispositivo fica implantado no corpo do paciente, é preciso tomar alguns cuidados essenciais para evitar qualquer tipo de problema e conviver de maneira satisfatória e confortável com o marcapasso neural.

Neuromodulação sacral: recuperando a qualidade de vida

A neuromodulação sacral consiste em um tratamento cirúrgico onde são implantados pequenos dispositivos responsáveis por emitir estímulos elétricos que agem diretamente nos nervos e conectam as vísceras pélvicas e os interneurônios espinhais ao sistema nervoso central.

Dessa forma, a comunicação entre o cérebro e o sistema urinário passa a ser restabelecida, permitindo que o paciente apresente uma resposta biológica que promove a melhora nos sintomas de incontinência urinária. Ou seja, com o marcapasso neural, o paciente recupera sua capacidade de controle sobre a micção e acaba com a perda de urina involuntária ou com a urgência em urinar.

O tratamento permite que o paciente tenha uma qualidade de vida muito maior. Após o implante do marcapasso neural, não há maiores preocupações para realizar hobbies e  atividades que eram realizadas anteriormente, como frequentar eventos sociais, praticar exercício físico, viajar, etc.

No entanto, alguns cuidados são necessários!

O dia a dia após o implante do marcapasso neural

Nas primeiras semanas, é necessário que o paciente realize a terapia de acompanhamento para adaptar-se ao dispositivo e sentir-se confortável durante sua rotina. Algumas situações podem exigir uma atenção especial com o dispositivo, mas cuidados simples são suficientes para não causar nenhum tipo de problema. Confira a seguir!

Idas ao banheiro

Após a fase adaptativa, é possível realizar as atividades rotineiras normalmente. Com o marcapasso neural, não há mais a necessidade de ir ao banheiro com urgência, já que o dispositivo permite que o sistema urinário funcione, basicamente, como o de uma pessoa normal, eliminando a ocorrência de perdas de urina involuntárias e indesejadas. Ao sentir vontade de urinar, você irá conseguir segurar por algum tempo, o que acaba com a necessidade de chegar rapidamente ao banheiro ou estar sempre próximo ao local.

Atividades físicas

O marcapasso neural é implantado de forma a ficar o mais confortável possível para cada paciente. Em grande parte dos casos, o dispositivo fica imperceptível através da roupa, mas dependendo do corpo do paciente, é possível observar uma pequena protuberância sob a pele. 

Contudo, não há preocupações para realizar atividades físicas. É possível praticar caminhadas, corridas e até esportes de alta intensidade sem que haja nenhum tipo de efeito indesejado. Mesmo assim, é importante conversar com seu médico sobre a prática de atividades mais vigorosas, sobretudo nas semanas iniciais após a realização do procedimento.

Viagens

Com o marcapasso neural, é possível aguentar períodos mais longos sem ir ao banheiro, o que garante muito mais tranquilidade e conforto durante as viagens. No entanto, o dispositivo pode acionar detectores de metal em aeroportos e detectores antifurto em lojas varejistas. Para que isso não aconteça, você pode solicitar ao seu médico um cartão de identificação para atestar que você possui um marcapasso neural implantado.

Quais problemas posso ter após o implante?

Na grande maioria dos casos, o paciente pode conviver com o marcapasso neural tranquilamente e sem nenhum tipo de problema. Em casos raros, podem acontecer alguns efeitos adversos, como:

  • deslocamento do eletrodo;
  • dor ou infecção na região;
  • perda precoce do efeito.

Como você pôde notar, conviver com o neuroestimulador sacral promove uma grande melhora na qualidade de vida e não exige grande cuidados durante sua rotina. Mas vale a pena ressaltar a importância de conversar com seu médico sobre os principais cuidados que você deve ter após a cirurgia de neuroestimulação sacral.

Você sofre com incontinência urinária ou com bexiga e não obteve resultados satisfatórios com tratamentos clínicos e comportamentais? Agende uma consulta para avaliação individual e saiba se o marcapasso neural é indicado para seu caso. 

Material escrito por:
Dr. Leonardo Ortigara
CRM 15149 / RQE 7698
X Balneário Camburiú Itajaí