home > Informe-se > Câncer de Próstata > Como diagnosticar o câncer de próstata?

Como diagnosticar o câncer de próstata?

Atualizado em 21 de novembro de 2022 |Publicado em 21 de novembro de 2022
Por: Dr. Leonardo Ortigara

Como diagnosticar o câncer de próstata?

Saber como diagnosticar o câncer de próstata é de extrema importância para que todos os homens fiquem atentos aos sintomas dessa doença. Com isso, podem procurar ajuda médica o mais rápido possível para evitar a complicação dessa neoplasia.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, entre 2020 e 2022, haverá mais de 65 mil novos diagnósticos dessa doença anualmente. Isso quer dizer que a cada hora, mais de 7 homens são diagnosticados com esse câncer.

Desses, 6 a cada 10 pacientes têm mais de 65 anos, segundo o Oncoguia. Por isso, reforço a importância de realizar exames preventivos nessa faixa etária para possibilitar o diagnóstico precoce.

Quer saber mais e entender como diagnosticar o câncer de próstata? Continue lendo e tire suas dúvidas.

Quais são os sintomas do câncer de próstata?

O câncer de próstata, assim como a maioria das outras neoplasias, não conta com sintomas nas suas fases iniciais, ou seja, quando o tumor ainda está pequeno e restrito a uma área. Como consequência, o diagnóstico só ocorre nesse período caso o paciente realize exames preventivos.

Já nos casos mais avançados, os sintomas mais comuns são:

  • vontade de urinar frequentemente;
  • fluxo urinário fraco ou interrompido;
  • aumento da vontade de urinar durante a noite;
  • disfunção erétil e
  • sangue na urina ou no sêmen.

Além disso, no caso da doença ter se disseminado no corpo, pode-se sentir dores nas costas, coxas, quadril, ombros ou outras partes do corpo, assim como dormência ou fraqueza.

Tenho esses sintomas, estou com câncer?

Não necessariamente. Existem outras doenças que podem afetar a próstata que também contam com esses sintomas, como é o caso da hiperplasia benigna, por exemplo. Isso se dá porque qualquer enfermidade que aumente o volume desta glândula pode causar problemas urinários e sexuais.

Se você está sentindo desconfortos que coincidem com os listados acima, o mais recomendado é procurar um urologista quanto antes. Somente assim é possível ter um diagnóstico e, se necessário, iniciar um tratamento de forma ágil e eficaz.

Como diagnosticar o câncer de próstata?

Você deve estar se perguntando agora como diagnosticar o câncer de próstata e se esse processo envolve algum desconforto. Atualmente, existem três exames que são utilizados para esse fim. Saiba mais sobre cada um deles.

Exame de PSA

O PSA é um exame que mede o Antígeno Prostático Específico no sangue. Essa substância, assim como o nome já sugere, é produzida na próstata. Quando essa glândula está maior que deveria, seja pela presença de um tumor ou por outra causa, há uma alteração no seu valor.

Esse procedimento deve ser realizado por todos os homens com mais de 50 anos ou a partir dos 45, quando há casos de câncer de próstata na família. Vale ressaltar aqui que apenas o valor alterado não é um diagnóstico da doença. É apenas um indicativo que é necessário realizar outro exame para confirmar a suspeita.

Saiba mais sobre o PSA aqui!

Exame de toque retal

O exame de toque retal ainda é visto como um tabu aqui no Brasil, uma vez que o urologista apalpa a próstata do paciente para verificar se há algum aumento. Esse procedimento deve ser realizado, regularmente, de forma preventiva junto com o exame de PSA, para identificar qualquer anormalidade de forma precoce. Isso aumenta as chances de cura.

É importante entender que esse exame é tão normal quanto qualquer outro e não há motivos para se sentir constrangido ou evitá-lo. Não permita que o preconceito impeça você de cuidar da sua saúde.

Biópsia

Caso o volume da próstata esteja maior que deveria, recomenda-se a realização de uma biópsia para identificar se há células malignas na região. Para isso, um pequeno pedaço da glândula é retirado e enviado para um laboratório.

Quando o diagnóstico de câncer de próstata é feito de forma precoce, a própria biópsia pode ser suficiente para retirar todo o tumor ou, ao menos, grande parte dele. Já nos casos mais graves, esse procedimento apenas confirma a suspeita da neoplasia e o médico responsável inicia o tratamento, considerando o estágio e a saúde do paciente.

De forma geral, recomenda-se um ou mais métodos de tratamento:

  • radioterapia: uso de radiação para eliminar o tumor;
  • criocirurgia: é feito o resfriamento do tecido;
  • hormonioterapia: impede-se o crescimento do tumor por meio dos hormônios;
  • imunoterapia: o sistema imune é fortalecido para combater o câncer;
  • quimioterapia: utilizam-se medicamentos para combater as células malignas e
  • retirada da próstata.

Se você quer saber mais sobre como diagnosticar o câncer de próstata ou tem os sintomas citados acima, entre em contato comigo e agende uma consulta. Sou urologista com ampla experiência no tratamento dessa doença e atendo em Balneário Camboriú e Itajaí (SC).

Material escrito por:
Dr. Leonardo Ortigara
CRM 15149 / RQE 7698